Episódio 1. Ian, o último dos imperadores,

tornou-se imperador ainda na infância.

E sua garganta foi cortada antes de atingir a idade adulta.

A vida do Imperador Ian Berosion será lembrada por essas duas frases. Quem se lembraria do jovem imperador que veio e desapareceu como o vento durante um tempo de revolta?

Um homem que entrou no calabouço agarrou Ian pelo cabelo. Estava coberto de sangue e em desalinho, mas o olhar em seus olhos era terrível.

"Tio Ian."

O nome do homem é Crony. Devido à sua genealogia distorcida, ele era o sobrinho de Ian que tinha 20 anos a mais que ele. A cada vez que ele agitava suavemente o cabelo, saliva sangrenta gotejava da boca de Ian.

"Como você acabou assim? Eu te falei, tio, você não tem o necessário para se tornar imperador, por isso seria melhor ter recusado o cargo. se você tivesse me ouvido naquela época, isso não teria acontecido."

Ian apenas encarou Crony silenciosamente. Como se não gostasse do olhar em seus olhos, Crony deu um tapa forte no rosto de Ian.

Pá!

"Não importa quão impulsivo e imaturo um adolescente seja, você deveria saber onde colocar os pés antes de andar! É apenas magia! O que há de incrível nisso?!"

Ian suspirou interiormente.

Magia, um poder tão sublime e grandioso que se pode dizer ser um rastro deixado por Deus no mundo. E foi essa a razão pela qual Ian conseguiu se tornar imperador.

"Olhe tio! Esta suposta magia nem pode deter um único chute meu, certo?"

Pá! Pá!

Era verdade. Graças às algemas de pedra mágica que amarravam os membros de Ian, ele agora não passava de um humano comum de dezenove anos. Mesmo se o selo fosse liberado, a morte era iminente, então o final era certo.

"Que chance de um em dez mil, que primeiro nobre feiticeiro ou o que quer que seja! Nada disso importa diante desta lâmina."

Suspiro.

Crony eventualmente sacou sua espada. Para o infame ex-imperador acusado de traição ter sua vida encerrada em um calabouço assim, Ian achou risível.

Por fim, Ian soltou uma risada incrédula"...Ha."

"O que há de engraçado?"

"É apenas... engraçado, Crony. Nem você ou eu mudamos. Você ainda tem inveja de mim por ser um feiticeiro?"

O rosto de Crony endureceu com as palavras de Ian.

Assim como quanto maior a raridade, mais valioso é, o mesmo acontecia com os feiticeiros. Em todo o Império Bariel, eles são um número muito pequeno de pessoas, tão raros que talvez não cheguem a cem.

Como resultado, foi a primeira vez na história do grande império Bariel que um feiticeiro veio de uma família nobre.

"Eu me lembro. Você me disse isso quando eu era uma criancinha e não sabia de nada. 'Feiticeiros são raros, mas a maioria deles vem de origens de baixa classe. Se você for pego, será expulso da mansão, então esconda sua magia."

"...Ian. Por que relembrar o passado agora?

"Não é engraçado? Claro que, como o número de plebeus é esmagadoramente maior que o de nobres, é inevitável que a maioria dos magos também venha de origens comuns."

"Cale-se!"

"Por que está envergonhado?"

"Eu mandei você calar a boca!"

Pá!

A visão de Ian escureceu. O punho de Crony acertou diretamente seu olho. A cabeça de lan sacudiu no chão enquanto Crony pisou nas costas de seu corpo caído.

"O que você está tagarelando? Eu estou parado aqui agora enquanto sua cabeça está sangrando no chão. É isso que importa."

Crony apontou a ponta de sua espada para a nuca de Ian. Assim que ele estava prestes a cortar sua garganta sem hesitar, houve um som de passos se aproximando do lado de fora.

"Crony-nim, chegou uma carta do Duque Hillon."

Nota: Nim é uma forma respeitosa de chamar alguém mais velho ou com cargo especial.

"...É urgente?"

"Sim, peço desculpas."

Crony estalou a língua e removeu seu pé das costas de Ian. Ele então saiu do calabouço, olhando para Ian, que estava imóvel como se estivesse morto.

Após passado algum tempo.

Clique. Clique.

"Ian-nim..."

Um som metálico estranho e uma voz familiar. Ian finalmente recuperou os sentidos e abriu os olhos. Eu não tinha força nem mesmo para virar a cabeça. Apenas conseguindo mover o olhar para ver Naum, o Ministro da Magia, chorando e desfazendo as algemas.

"Ian-nim, por favor, recupere os sentidos."

"Naum, o que... o que te traz aqui..."

"Esta não é a hora. Apresse-se e cuide dos seus ferimentos primeiro. Ian-nim, por favor, reúna sua força de algum jeito..."

Mas as algemas de pedra seladora não foram facilmente removidas. A luz do luar entrava pela pequena janela e iluminava as mãos de Naum. Suas mãos cobertas de ferrugem e dedos arranhados.

"...Pare."

"Ian-nim?"

"... Eu quero que você pare."

"O que você está falando?"

Ian sorriu fracamente e fechou os olhos novamente. Memórias vividas de sua primeira vez entrando no Ministério da Magia emergiram.

"Obrigado. Foi graças a vocês que consegui me tornar um feiticeiro e ascender ao cargo de imperador. Mesmo não sendo bom o suficiente, vocês devem continuar a sobreviver e proteger o Império Bariel."

"Não. Não é possível. Sem o Ian-nim, o Ministério da Magia não tem sentido. Então, recupere os sentidos e receba um pouco da minha magia. Se você morrer aqui, está tudo acabado..."

Se eu morrer, tudo acabará. É isso que Ian realmente queria. Os últimos três anos de vida de Ian como imperador destruíram tudo dele. Foi tão difícil, cansativo e exaustivo.

"Senhor Ian, por favor, ouça-me atentamente."

Mas Naum não desistiu.

Agarrando gentilmente o queixo de Ian e o fazendo olhar diretamente em seus olhos.

"Próximo ao edifício principal central do Segundo Palácio Imperial, há um anexo diretamente sob o Ministério da Magia. Você sabe disso, certo? O lugar que você ia sempre que tinha vontade de chorar depois de entrar no palácio."

" Eu... só chorei uma vez."

" De qualquer forma – "

Por que ele chorou naquela época?

Ian franziu a testa, buscando nas memórias como se estivessem obstruídas. Só então, como se sentisse algo, Naum olhou para a entrada da prisão. Estava claro que Crony, que havia terminado sua tarefa, estava se aproximando.

"...Remova a barreira e esconda-se rapidamente."

"Eu não posso, Senhor Ian, vá por ali. Se você for, encontrará uma rota de fuga."

"O que isso significa?"

Naum respondeu Ian apenas com o silêncio. Ian podia ver o rosto de Naum escurecendo, não por causa das trevas do calabouço, mas por preocupação e inquietação. Sentindo seus sentidos borrarem, Ian fracamente agarrou a manga de Naum novamente.

"Naum, te fiz uma pergunta."

"Eu misturei meu sangue com magia."

"...Naum!"

“Me disseram que as respostas viriam se eu seguisse esse caminho, e as oportunidades chegariam. Não sei por que esse lugar especificamente. Talvez seja devido à minha falta de habilidades. De qualquer forma, você deve se apressar.”

O poder da magia desafia as leis da natureza apenas com sua existência. Se o equilíbrio de poder for minimamente perturbado, você cairá no abismo. O Papa chamou isso de inferno, e entre os feiticeiros foi chamado de condenação eterna.

"Você está dizendo que distorceu o espaço e o tempo?"

"Eu não tive escolha. Então, Senhor Ian deveria..."

"Por que, por que!"

Squeak.

"Eu sabia que seria assim. Mesmo se eu eliminasse todos os pirralhos do Ministério de Magia, é inútil se um tal Ministro aparecer, não é?"

Era Crony. Por trás dele estava o homem que estava sendo indicado para suceder Naum como o próximo Ministro da Magia. Naum cerrou os dentes e começou a lançar um feitiço. Ondas ondulando nas pontas de seus dedos, junto do padrão distorcido e estonteante que não brilhava mais como antes. As pedras seladoras de mana que algemavam os pulsos de lan continham muito poder.

"Naum! Pare! Você não pode!"

"Está tudo bem, Senhor Ian. Sempre há oportunidades. Deus não nos dá perguntas sem respostas."

Wooooow!

A formação mágica de Naum começou a queimar vermelho. Estranhamente, a chama não foi direcionada para Crony, mas estava queimando as mãos de Naum.

"Ugh!"

“Não...! Espere, Naum! Pare!"

Ian levantou a cabeça e gritou.

Embora não tivesse mais apego pela própria vida, ele não suportava a morte de pessoas preciosas por causa dele.

Apenas após se tornar imperador ele percebeu que o peso que a coroa carregava era o peso da lealdade enviada por seus seguidores. E eram eles, não Ian, que carregavam esse peso.

“Uwaaaargh!”

"Tsk!"

Crony levantou a mão esquerda para bloquear as chamas crescentes. Se não houvesse o feiticeiro atrás dele erguendo uma barreira, seu rosto teria sido queimado.

'Ah. Droga.'

Por outro lado, Ian sentiu novamente sua consciência desaparecendo com o calor abrasador. No momento em que tudo se iluminou com luz e até a dor se tornou distante. Ian de repente percebeu um zumbido de metal em seus ouvidos.

Clang.

A espada de Crony tocou o pescoço de Ian. ‘Essa é a conclusão de três anos como imperador.’ Ele pensou ter feito o seu melhor por Bariel, mas seu leal seguidor queimou a si mesmo até a morte, e agora Ian seria decapitado em seguida.

"Ian. Não renasça na próxima vida."

Com as palavras cruéis de Crony, tudo desapareceu. O entorno estava tão silencioso que ele se perguntou se era assim que é a morte. E a próxima coisa que ele viu foi...

'Garfo e faca?'

Eles estavam sendo segurados invertidos por suas próprias mãos.


Ian lentamente levantou a cabeça.

Embora seu corpo aparentasse pesar uma tonelada, parecia mais leve do que o sofrimento dos últimos dias, como se ele pudesse voar.

"Ian."

Uma mulher estranha sentada na frente dele olhou para ele.

Um amplo jardim, com canteiros de flores bem cuidados e comida refinada diante de seus olhos. Ao recuperar os sentidos, parecia que todos ao seu redor o encaravam.

"Ah."

‘Esse não parece o inferno. Então, é o céu?’

No entanto, a paisagem não era muito diferente de onde ele morava. Na verdade, comparado ao palácio imperial, parecia um pouco acabado...

"Por que ele está comportando assim? Ian, você está sendo rude com nosso convidado.”

"Parece que sua falta de educação se manifesta a qualquer momento."

"Chel, atenção com suas palavras.”

"Ian, recomponha-se."

O menino gordinho sentado ao lado da mulher proferiu palavras duras, mas Ian não prestou muita atenção. Isso porque o cheiro da comida diante dele estimulou seu estômago. Desde que foi preso naquele calabouço, ele não conseguia se lembrar da última vez que comeu.

"...Eu não sei o que é isso, mas está me deixando louco.”

Foi uma ação instintiva que ocorreu sem nem mesmo sua percepção. Com movimentos elegantes, Ian endireitou os talheres e assumiu uma etiqueta adequada para o jantar. Então, com mais graça do que qualquer um, e mais rápido do que qualquer um, ele cortou e comeu o bife.

"Hmm."

Foi um gesto elegante e formal que não se poderia esperar de alguém que acabou de segurar um garfo com o punho. A exclamação de admiração também foi curta, baixa e não vulgar.

Do outro lado da mesa, sua madrasta – A condessa – e seu meio-irmão o olhavam perplexos.

um escudo com um dragão ao centro para representar nossa scan de caçadores

Direitos autorais e marcas para mangás, e outros materiais promocionais são mantidos por seus respectivos proprietários e a sua utilização é permitida nos termos da cláusula de uso justo da Lei de Direitos Autorais Americana. (Copyrights and trademarks for the manga, and other promotional materials are held by their respective owners and their use is allowed under the fair use clause of the U.S. Copyright Law.)

© Hunters Scan